default_mobilelogo

160617 df4 1408b8740e7e3d9005e41081f87024b3 M

Redução registrada no 9º ano da lei é a maior desde a sua implantação

(Brasília - 16/6/2017) - O nono ano da Lei Seca registrou o menor número de óbitos no trânsito do Distrito Federal desde junho de 2008, quando houve a implantação da Lei nº 11.705. Estudo elaborado pela Gerência de Estatística do Detran-DF

aponta que houve redução de 37% no número de óbitos ocorridos entre 20 de junho de 2016 e 11 de junho de 2017 (314 mortos) em comparação ao período de 20 junho de 2007 a 19 de junho de 2008 (500 mortos). São 864 vidas poupadas ao longo desses nove anos, um número bem expressivo.

Dados estatísticos apontam que o número de mortes teve reduções significativas ao longo dos nove anos em que a Lei Seca está em vigor. Em relação ao número de mortes no trânsito ocorridas no ano anterior à Lei (500 mortes), houve redução de 16% no 1º ano (422 mortes); 12% no 2º ano (442); 4% no 3º ano (480); 14% no 4º ano (431); 21% no 5º ano (394); 16% no 6º ano (420); 24% no 7º ano (378); 29% no 8º ano (355); e 37% no 9º ano (314).


A redução de mortes é o reflexo de ações educativas que sensibilizam os condutores sobre o risco de conduzir veículo alcoolizado e também de uma fiscalização mais intensa. Nesses nove anos, o número de condutores dirigindo após o consumo de álcool aumentou significativamente. Vale lembrar que cada condutor embriagado que é abordado pela fiscalização e impedido de continuar na direção do veículo é uma possibilidade a menos de acidente, gerando mais segurança aos usuários da via.

Fiscalização
Dados da Diretoria de Policiamento e Fiscalização de Trânsito mostram que, nesses nove anos da Lei Seca, 93.152 condutores foram autuados por dirigir após a ingestão de bebida alcoólica. Desses, 9.240 foram presos em flagrante por apresentarem concentração igual ou superior a 0,3 miligrama de álcool por litro de ar alveolar.

A intensificação das operações de trânsito nos dias e nos horários com maior quantidade de ocorrências também contribuiu com a redução de acidentes. Nesse último ano, por exemplo, comparado ao ano anterior à vigência da Lei Seca, foi registrada uma queda de 46% em acidentes fatais nos fins de semana e de 38% nos horários mais críticos – das 18h às 23h59.

Dados do IML
Exames toxicológicos, realizados pelo Instituto de Medicina Legal (IML), apontaram a presença de álcool e outras drogas em 114 dos 391 mortos no trânsito em 2016 (29%). Em 2015, esse índice tinha sido maior: 35% das 354 vítimas (124).

Entre os 391 mortos em 2016, 79 apresentaram resultado positivo para dosagem de álcool no sangue, sendo 26 pedestres, 14 motociclistas, oito passageiros, dois ciclistas e 26 demais condutores. O consumo de outras drogas também foi observado em 51 mortos no trânsito em 2016: 17 motociclistas, 14 pedestres, cinco passageiros, dois ciclistas e 13 demais condutores.

 

Detran DF, 16 de junho de 2017

 

TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO!

ABETRAN – George J Marques