default_mobilelogo

Notícias de transito do Brasil.

Os Departamentos Estaduais de Trânsito comemoram uma grande conquista neste início de 2017. Pela primeira vez, diretores dos órgãos estaduais foram nomeados como titular e suplente no Conselho Nacional de Trânsito – o Contran: órgão máximo normativo, consultivo e coordenador da política nacional de trânsito, responsável pela regulamentação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

A participação no colegiado era um pedido antigo da Associação Nacional dos Detrans (AND), que pleiteava por maior diálogo antes da criação de normativas. “Esta é uma vitória dos Estados, pois permite que nossas experiências, dificuldades e diferenças regionais sejam consideradas. Com isso, teremos maior sintonia na elaboração de normas mais eficazes e técnicas”, destacou o presidente da AND e diretor-geral do Detran Paraná, Marcos Traad.

'Já imaginaram se fosse para todos, condutores de motos e automóveis?', questionou o comentarista.

  
 

O exame toxicológico ajuda, mas a fiscalização tem que ser para todos.

"Em todos os estados e todas as categorias. Para o motorista profissional, transportador de carga, já estamos vendo os resultados. Nos Estados Unidos, desde que começaram esses exames, os acidentes despencaram na mesma proporção dos exames positivos. Já imaginaram se fosse para todos, condutores de motos e automóveis?

E vimos aí que liminares deixam fora o Maranhão e Tocantins. Coincidência ou não, o maior percentual de resultado positivo para droga está em Mato Grosso do Sul, onde liminar impedia o exame.

  Visão Zero é um conceito de segurança viária originado na Suécia e que pode ser resumido na seguinte premissa: nenhuma vida perdida no trânsito é aceitável. A abordagem é baseada no fato de que pessoas cometem erros – e esses erros podem ser prevenidos a partir de medidas de segurança como alterações no desenho viário e redução dos limites de velocidade. Em outras palavras, sistemas de segurança viária devem ser desenvolvidos considerando as falhas humanas. O programa gerou resultados notáveis: desde que adotou a Visão Zero, a Suécia registra uma das mais baixas taxas de mortalidade no trânsito do mundo (apenas 3 em cada 100 mil habitantes).  Além disso, as fatalidades envolvendo pedestres caíram quase pela metade nos últimos cinco anos naquele país. 

A realidade encontrada na Suécia, infelizmente, não é a mesma vista em tantos outros países. No mundo todo, 1,25 milhão de pessoas morrem a cada ano em acidentes de trânsito e em torno de 50 milhões ficam gravemente feridas. Os acidentes são a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos e, em muitos países, estima-se que consumam de 2% a 5% do PIB.

Como parte das atividades do Movimento Outubro Rosa, que chama a atenção para ações de prevenção ao câncer de mama, o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) divulga um perfil das mulheres no trânsito. Dados mostram que elas conquistam a habilitação mais cedo. Das 56 mil CNHs emitidas para elas, nos primeiros nove meses do ano, 63% foram para motoristas com entre 18 e 24 anos.

Contran determina novas regras para som automotivo, transporte coletivo e transporte de presos

Motorista que for flagrado com som automotivo audível do lado externo do veículo, independentemente da frequência ou do volume, e que perturbe o sossego público será autuado

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) aprovou, nessa quarta-feira (19), três novas resoluções que regulamentam autuações para som automotivo, transporte coletivo de passageiros e requisitos de segurança para veículos que transportam presos.

A norma nº 624 determina a autuação do condutor que for pego com som automotivo audível pelo lado externo do veículo, com volume ou frequência que perturbe o sossego público, em vias terrestres de circulação.

Motos sem catalisadores poluem até oito vezes maisComponente é essencial para o controle da qualidade do ar

Responsável por converter cerca de 85% dos gases poluentes em substâncias inofensivas, os catalisadores são peças fundamentais também nos veículos de duas rodas. Isso porque, diferentemente dos carros, as motos exigem mais do motor para ter um bom desempenho, tornando-se, assim, mais poluentes. Segundo a Umicore, principal fabricante de catalisadores do Brasil, as motocicletas podem emitir oito vezes mais gases tóxicos caso a peça seja retirada.